Após queda em fevereiro, vendas do varejo crescem 0,3% em março, aponta IBGE

s vendas do comércio varejista brasileiro cresceram 0,3% em março na comparação com o mês imediatamente anterior, após um recuo de 0,2% em fevereiro. Já frente ao desempenho de março de 2017, o faturamento avançou 6,5%, o maior resultado desde abril de 2014 (6,7%), segundo divulgou nesta sexta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No acumulado no 1º trimestre, as vendas cresceram 3,8%, a quarta alta consecutiva, porém em um ritmo mais lento do que nos últimos três trimestres. Em 12 meses, a alta é de 3,7%.

"A recuperação está em curso, mas perdeu ritmo em relação a 2017", avaliou a gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Isabella Nunes. Ela destacou que, ao se comparar o acumulado no ano, a perda de ritmo nas vendas ocorreu "com todas as atividades, menos com hiper e supermercados por conta do volume de vendas da Páscoa.

Vendas do varejo

Variação em relação ao mês imediatamente anterior, em %

-1,3-1,31,21,20,10,11,21,2-0,3-0,3-0,2-0,20,50,5-0,6-0,60,80,8-0,5-0,50,90,9-0,2-0,20,30,3mar/17abr/17mai/17jun/17jul/17ago/17set/17out/17nov/17dez/17jan/18fev/18mar/18-1,5-1-0,500,511,5

Fonte: IBGE

O resultado veio próximo do que era esperado pelos analistas. A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 0,30% na comparação mensal e de avanço de 5,50% sobre um ano antes.

As vendas cresceram em março em 5 das 8 atividades pesquisadas, com avanço em 18 das 27 Unidades da Federação, com destaque, em termos de magnitude de taxa, para Espírito Santo (5,1%); Distrito Federal (4,4%) e Acre (4,1%).

Veja o resultado das vendas do varejo por segmento em março:

  • supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,1%)
  • tecidos, vestuário e calçados (0,7%)
  • artigos de uso pessoal e doméstico (0,7%)
  • combustíveis e lubrificantes (1,4%)
  • Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-5%)
  • Livros, jornais, revistas e papelarias (-1,2%)
  • Móveis e eletrodomésticos (0,1%)
  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,1%)
  • Vendas de combustíveis em queda

    Na comparação com março de 2017, as vendas de combustíveis e lubrificantes recuaram 4,8%, exerceu a maior contribuição negativa no resultado total do varejo. Essa é a nona taxa negativa consecutiva nessa comparação. Segundo o IBGE, a elevação dos preços de combustíveis acima da inflação oficial do país, "é fator relevante que ainda vem influenciando negativamente o desempenho do setor".

    Já as vendas de móveis e eletrodomésticos recuaram 3,3% na comparação anual, exercendo a segunda maior influência negativa no faturamento global do varejo frente a março do ano passado. O resultado negativo interrompeu sequência de dez taxas positivas. Nos últimos doze meses, entretanto, a alta é de 9,1%, mantendo a trajetória de recuperação iniciada em março de 2016.

Outras Notícias

Dia da Consciência Negra

O dia 20 de novembro  foi escolhida como Dia Nacional da Consciência Negra e envolve muita reflexão, luta e busc...

Dia do Radialista.

que conseguem deixar seus problemas de lado para trazer para nossas casas, uma espécie de companhia que não podemos t...

Curso preparatório gratuito para o Enem é oferecido em Itaúna

Um curso preparatório intensivo para a primeira etapa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será oferecido pela Se...

Aos 15 anos, filha de Arlindo Cruz está grávida do primeiro filho

Flora Cruz, de 15 anos, filha de Arlindo Cruz, está grávida de dois meses do primeiro filho. O bebê é fruto do relaci...

Alterações de local de votação eleitoral de Igarape

Cumprindo determinação da MMa. Juíza Eleitoral da 41ª Zona Eleitoral de Igarapé - MG, solicito-lhe a divulgação ...