Depois de conseguir derrubar com folga na Câmara a denúncia da PGR, Temer anuncia nova batalha no Congresso: as mudanças na legislação da Previdência

Depois da vitória na Câmara, Temer avança com reformas estruturantes

Venceram o poder de articulação política e a experiência no trato com os deputados federais. Duas vezes presidente da Câmara e porta-voz do governo com o Legislativo durante boa parte do mandato de Dilma Rousseff (PT), o presidente Michel Temer (PMDB) conseguiu derrubar no plenário a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para que ele fosse investigado por corrupção passiva no Supremo Tribunal Federal (STF). Em pronunciamento à noite, Temer agradeceu a votação obtida pelos “representantes do povo brasileiro” e anunciou que seguirá adiante com as reformas necessárias para o país “andar nos trilhos”, tais como a previdenciária e a tributária.

“Agora, seguiremos em frente com as ações necessárias para concluir o trabalho que meu governo começou há pouco mais de um ano. Estamos retirando o Brasil da mais grave crise econômica da história. É urgente colocar o país nos trilhos do crescimento, da geração de emprego, modernização e justiça social”, afirmou o presidente, completando que a sua vitória foi “clara e incontestável”. Temer precisava que 172 dos 513 deputados votassem a favor do arquivamento da denúncia para se livrar do processo no STF. Conseguiu bem mais: foram 263 votos pró-Temer e 227 contra, além de 19 ausências e duas abstenções – placar atingido às 21h51, depois de três horas e 30 minutos de votação.

O placar pegou de surpresa até mesmo os governistas mais otimistas, que contavam com algo em torno de 200 votos. Embora nas últimas semanas, em pleno recesso do Congresso Nacional, o presidente tenha atuado fortemente para se manter na cadeira do Palácio do Planalto. Temer conversou pessoalmente com parlamentares indecisos para garantir a vitória, abriu os cofres do governo para as emendas parlamentares e chegou até mesmo a exonerar ministros eleitos deputados para garantir votos no plenário favoráveis ao relatório do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendou o arquivamento da denúncia. Ele poderá ser processado apenas após o término do mandato, em 31 de dezembro do ano que vem.

Com o aval da maioria dos deputados, Temer espera agora conseguir aprovar a polêmica reforma da Previdência – segundo ele necessária para colocar as contas públicas em ordem. “Faremos todas as demais reformas estruturantes que o país necessita”, discursou. Em nota, o PMDB, partido do presidente, afirmou que foi superada “mais uma dificuldade no plenário da Câmara” e que a legenda trabalhará para que o presidente “possa continuar reconstruindo o Brasil”. “A partir de agora, avançaremos na transição com reformas estruturantes e ações para que o Brasil volte a ser um país onde as pessoas possam viver com esperança”. Os problemas judiciais do presidente, no entanto, não acabaram totalmente. Ele ainda poderá ser alvo de nova denúncia do procurador-geral Rodrigo Janot, desta vez por organização criminosa e obstrução da Justiça.

OPOSIÇÃO ADMITE ERRO Ao longo do dia, as articulações políticas continuaram de lado a lado. Mas deputados da oposição já reconheciam um cenário favorável a Temer. E admitiram que o grupo errou nas estratégias para afastar o peemedebista. O primeiro foi no início da tarde, quando inscreveram vários parlamentares para discursar na tribuna, ajudando a atingir o quórum de 342 deputados para iniciar a votação do relatório. Além disso, o governo conseguiu convencer dissidentes da base, como parte dos tucanos, a comparecer ao plenário para garantir o número mínimo de parlamentares necessários para a reunião.

À tarde, o presidente se reuniu com ministros e assessores no Palácio do Planalto para assistir à sessão, que durou quase 13 horas. Um dos ministros que estiveram no gabinete de Temer para acompanhar a sessão foi Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, responsável por consolidar os mapas da votação elaborados por deputados da base. Temer ainda almoçou com Padilha, Moreira Franco (Secretaria-Geral), o porta-voz Alexandre Parola, o secretário de Comunicação Social, Márcio Freitas, o secretário de Imprensa, Luciano Suassuna e o marqueteiro Elsinho Mouco. Na agenda oficial, o presidente recebeu 18 deputados, dos quais 13 não revelaram o voto ou haviam se declarado indecisos. Padilha disse que a rejeição da denúncia revela a “força” do governo para emplacar a agenda de reformas no Congresso ainda neste ano. “A próxima batalha é a retomada da reforma da Previdência”, afirmou. (Com agências). 

Outras Notícias

Transportadores encerram greve e postos serão abastecidos neste sábado

A paralisação dos transportadores de combustível, conhecidos como “tanqueiros”, acabou. Após uma reunião com as distr...

Greve dos transportadores já provoca falta de combustíveis na Grande BH

A greve promovida pelos transportadores de combustíveis desde a última quarta-feira já provoca falta de gasolina, álc...

Aos 81 anos, Carlos Alberto de Nóbrega fica noivo da companheira

Cheio de vitalidade e bom humor por aí, o comediante Carlos Alberto de Nóbregaacabou de ficar noivo da médica&nb...

Ônibus de turismo tomba na Rodovia Fernão Dias; Bombeiros confirmam sete mortos

Um ônibus tombou na manhã deste domingo na Rodovia Fernão Dias, altura do km 525, sentido São Paulo, na Serra de Igar...

Polícia registra três ataques contra forças de segurança em um dia na Grande BH

O elo Horizonte e mais duas cidades da Região Metropolitana tiveram registros de ataques contra forças de segurança n...