Ex-presidente foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão pela ocultação de uma cobertura triplex em Guarujá (SP).

Lula fala pela 1ª vez após sentença de Moro, nega crimes e diz que está 'no jogo'

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez seu primeiro pronunciamento público nesta quinta-feira (13), um dia após a sentença do juiz Sérgio Moro que o condenou a 9 anos e meio de prisão por corrupção. Ele negou os crimes pelos quais foi condenado e afirmou que ainda está "no jogo".

"Se alguém tiver uma prova contra mim, por favor, diga. Mande para a Justiça, mande para a suprema corte, mande para a imprensa. Eu ficaria mais feliz se fosse condenado por conta de uma prova", afirmou. "Nós vamos recorrer em todas as instâncias de todas as arbitrariedades. (...) É preciso fazer processo contra quem mentir, contra quem não disser a verdade nesse país."

"A Justiça não pode mentir. Não pode tomar decisões politicas. Ela tem que tomar decisões baseadas nos autos. (...) A única prova é a da minha inocência", afirmou. "Eu prestei vários depoimentos, e era visível que o que menos importava era o que você falava, eles já estavam com o processo pronto."

"Não sou dono de triplex. Não tenho triplex."

O ex-presidente criticou a sentença de Moro, alegando que ela tem um "componente político muito forte". "Se o Lula pudesse ser candidato, o golpe nao fechava. Porque qual é a lógica de tirar esse governo e, dois anos depois, o Lula ser candidato e voltar?"

Lula também falou sobre as expectativas para as eleições de 2018. "Se alguém pensa que, com essa sentença, me tiraram do jogo, podem saber que eu estou no jogo", disse o ex-presidente. "Quero dizer ao meu partido que até agora eu não tinha reivindicado, mas agora vou reivindicar como postulante a candidato a presidente da república."

Lula afirmou que vai comprar três brigas para voltar a ser presidente: com a Justiça, para provar sua inocência; dentro do partido, para se tornar de fato o candidato da legenda; e a disputa democrática nas ruas e urnas, posteriormente.

Omissões e contradições

O ex-presidente começou a falar às 12h02 e discursou durante meia hora. Estavam no local do pronunciamento o ex-presidente do PT Rui Falcão, os ex-ministros Jacques Wagner e Miguel Rosseto, os deputados Carlos Zarattini, Jandira Feghalli e José Guimarães, os advogados de Lula, Roberto Teixeira, Cristiano Zanin e Valesca Teixeira, bem como a atual presidente do partido, Gleisi Hoffmann.

"Nós estamos analisando ainda a sentença, mas já é possível constatar diversas omissões, contradições, que em tese permitem até um recurso dirigido ao juiz Sérgio Moro. Mas essa definição nós ainda vamos ter ao longo do dia, nos próximos dias, depois de uma análise mais exauriente da sentença", disse Zanin.

"Já verificamos omissões a diversos argumentos que foram apresentados pela defesa sobre provas de inocência do presidente Lula. Identificamos incompatibilidade entre acusação e a sentença. A acusação fala em transferência efetiva da propriedade do triplex, enquanto a sentença afirma que houve 'atribuição de propriedade'. Então são diversas incompatibilidades com a própria denúncia, com a própria acusação", afirmou.

Outras Notícias

Juiz do DF suspende decreto que aumentou imposto de combustíveis

São Paulo – O juiz substituto Renato Borelli, da 20ª Vara Federal do Distrito Federal, suspendeu  nesta terça-fe...

Inscrições para o Fies do 2º semestre de 2017 já estão abertas

s inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2017 já estão abertas. ...

Polícia Federal faz operação contra pedofilia em 14 estados

A Polícia Federal (PF) cumpre a segunda fase da Operação Glasnost, que investiga exploração sexual de crianças e o co...

Corpo de Bombeiros apaga fogo na Serra do Curral, em Belo Horizonte

incêndio que atingiu a Serra do Curral, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, consumiu 4 mil metros quadrados de ve...